15 sinais de que você está prestes a ter um burnout

Os sintomas são parecidos com os de depressão e ansiedade, e podem anunciar o problema cedo
Depositphotos

A síndrome de burnout, como o próprio nome entrega, é como uma pane geral no organismo, causada pelo excesso de trabalho. Cada vez mais comum na pandemia, o distúrbio começa com sintomas muito sutis, que são facilmente confundidos com depressão e ansiedade. Se não estiver atenta, você pode acabar se afundando cada vez mais no problema, o que torna seus efeitos ainda mais graves.

Não há uma regra sobre quem pode desenvolver o burnout, mas ele costuma atingir mais profissionais que vivem sob constante pressão.  “A gente tende a relacionar o burnout às atividades de alto padrão intelectual e produtividade complexa”, explica Alexandre Valverde, psicólogo e psiquiatra. Mas, com a quarentena, o grupo de pessoas que sofrem do distúrbio emocional ficou muito mais diverso e abrangente.

Sinais do burnout

O excesso de trabalho é um dos indícios mais claros que antecipam o burnout, mas ironicamente, ele vem acompanhado de uma queda brusca na produtividade – é quando a mente começa a entrar em colapso. “A pessoa até consegue trabalhar, mas cria muitos problemas, a qualidade do trabalho é comprometida e há uma forte margem de erro”, aponta Ana Maria Rossi, PhD e presidente da International Stress Management Association (ISMA-BR).

A depressão também pode ser um sinal do burnout, mas ela ocorre lá na frente, em um dos estágios mais avançados da síndrome. Veja alguns sintomas iniciais que valem sua atenção:

1) Exaustão

“É um cansaço extremo, que não passa com férias ou licença de saúde, ele abala terrivelmente a pessoa”, explica Ana Maria. Mesmo se você estiver com o sono em dia, passa a se sentir exausta o tempo todo.

2) Esgotamento mental

Além do cansaço físico, o esgotamento mental também é um sinal: você já não raciocina como antes e o trabalho parece ficar mais complicado.

Veja também: Quarentena e saúde mental: como proteger a mente durante o isolamento contra o coronavírus

3) Falta de atenção

A exaustão ajuda a agravar a desatenção no trabalho, que também pode ser causada pela falta de perspectiva na carreira. Você deixa de ver valor no que faz, então não coloca mais a mesma atenção no dia a dia.

4) Perda de interesse

O desinteresse pode acontecer em relação a tudo: desde o trabalho a até relações pessoais. Você deixa seus gostos pessoais de lado, as atividades sociais e, pouco a pouco, nem o trabalho te contenta mais. “É comum reduzir o repertório social, afetivo e esgotar outros âmbitos da vida”, ressalta Alexandre. 

5) Alterações de humor

Pode ser de qualquer estado: feliz, triste, melancólica, eufórica… Seu humor muda muito rápido e passa a afetar as pessoas ao seu redor. “Essa oscilação faz com que a pessoa se isole dos outros e isso é ruim, pois com o apoio de amigos, ela lida melhor com o problema”, completa Ana Maria. 

Veja também: Por que você está sofrendo mais com a queda de cabelo

6) Irritabilidade

Alguns fatores colaboram para te tirar dos eixos com mais facilidade: a falta de justiça e de recompensas justas no trabalho são alguns deles. Com isso, você se irrita com seus colegas de trabalho e, às vezes, até com sua chefe.

7) Alterações de sono

Você pode passar noites em claro ou não ouvir o despertador tocar de manhã. Os distúrbios extremos de sono, para mais ou para menos, são comuns em quem enfrenta o burnout.

8) Alterações de apetite

Outro aspecto que pode variar: há quem perca completamente a fome ao passar por situações de stress, ou quem saia comendo tudo o que vê pela frente. Os dois aspectos mostram que algo está errado.

Veja também: Fome emocional ou fome fisiológica? Aprenda a diferenciar com o mindful eating

9) Perfeccionismo extremo

“Sua necessidade de entrega no trabalho quase nunca corresponde às suas expectativas, então você dá o máximo de si, mas está sempre insatisfeita”, explica Alexandre. Ou seja, você não admite erro algum no trabalho e eleva o nível de exigência nas alturas.

10) Baixa autoestima

Ao mesmo tempo, nada do que você faz parece bom, no trabalho e fora dele. Você se sente desmotivada e desvalorizada, e deixa de acreditar em si mesma, em todos os aspectos.

Veja também: Meditação da bondade amorosa: prática melhora a autoestima e a compaixão

11) Ceticismo

É um dos aspectos clássicos do burnout, quando você é tomada por uma onda de negatividade e deixa as esperanças de lado. “Você se torna insensível, alienada, insatisfeita”, aponta Ana Maria. E não só com você mesma, viu? Essa característica afeta muito sua visão sobre os outros.

12) Ineficácia

O sentimento de incompetência, de que você não é suficiente, resulta na ineficácia no trabalho. Você até continua a trabalhar, mas sente que não está rendendo bem.

Veja também: 20 dicas de autocuidado para prevenir o burnout

13) Procrastinação

Por não se sentir motivada, tudo é deixado para depois: as tarefas, reuniões, compromissos no expediente… Se antes você saiu puxando várias responsabilidades para si, agora não consegue lidar com elas e procrastina até o último minuto possível.

14) Vícios

É comum cair em vícios como álcool, drogas, sexo, até comidas muito calóricas. Um dos sintomas do burnout é a sensação de vazio, você deixa de se reconhecer e passa a preencher esse espaço com o que encontra pela frente – na maioria das vezes, nada disso é saudável.

15) Problemas de saúde

Por fim, os efeitos no seu organismo: tensão muscular, crises de enxaqueca, taquicardia, sudorese, alterações intestinais e até crises de ansiedade e pânico.

Reconheceu algum desses sintomas? Não deixe de procurar um psicólogo ou psiquiatra. O tratamento pode ser feito com terapia e medicamentos ansiolíticos e antidepressivos – e claro que, quanto antes buscar ajuda, melhor. Cuide-se sempre!

Reportagem Camila Junqueira

veja também